Esta área de concentração e reflexão tenciona compreender as transformações sociais, institucionais e políticas do mundo intelectual, capazes de dar conta da gênese e da expansão das ciências sociais, em particular da sociologia. Pretende-se perseguir tal intento sem dissociar a emergência de paradigmas explicativos e conceituais dos fundamentos históricos em que se assenta a vida cultural nas metrópoles européias, nos Estados Unidos e na América Latina. A história social da sociologia é o melhor antídoto contra as categorizações de senso comum com que operam certas tradições acadêmicas da história das idéias. Além do empenho em dar continuidade à inteligibilidade dos autores clássicos – Marx, Weber, Durkheim, entre outros – cumpre conferir tratamento interpretativo privilegiado às obras e trajetórias de cientistas sociais latino-americanos, a começar pelo exame da própria tradição inaugurada pela escola sociológica paulista na Universidade de São Paulo.